segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

UERJ em crise

Outro dia eu publiquei algumas críticas sobre as disciplinas da Engenharia, citando inclusive a grade da UERJ, onde me formei.

As críticas se encaixam em todas as faculdades, mas o problema é que este foi um momento inoportuno para esta discussão, considerando o atual estado de sucateamento da UERJ, cujos funcionários estão sem receber desde novembro. Existe inclusive risco de fechar novas turmas para 2017, ou até mesmo fechar definitivamente as portas.

Triste perceber como a administração do estado do Rio continua não dando a mínima. O governo federal vai no mesmo caminho e lava as mãos para o problema. Dentro em breve, não teremos mais a opção de uma faculdade pública e urbana no Rio de Janeiro.

Eu gostaria de poder continuar criticando o ensino, criticando a falta de realidade de alguns professores e a grade da Engenharia. Mas no atual momento, isso só dará forças às ideias privatistas.
A UERJ é nossa! Falo mal e critico porque quero o melhor para a nossa educação, não porque tenho interesse em transformar a universidade em balcão de negócios sem nenhum objetivo construtivo.

WiFi via satélite

Não sei se vocês sabem, mas quem tem internet OI geralmente possui um modem Technicolor que habilita automaticamente, sem qualquer controle ou ciência do usuário, um hotspot WiFi chamado Oi Wi-Fi Fon. Em outras palavras: qualquer pessoa cadastrada na OI pode acessar sua internet sem te pagar nada por isso.

A OI diz que "compartilha apenas 1M bit/s" da sua internet com usuários "cadastrados" só quando estiver "ocioso" e quando "você não estiver usando". OK, eu até aceitaria se me pagasse uma grana. Sem ciência do usuário é sacanagem...

Eu já fiz de tudo para desabilitar este WiFi, que para piorar e causar interferência, ainda é no mesmo canal da sua rede. Às vezes, até parece que você conseguiu desligar a desgraça, mas alguma coisa acontece e ela volta novamente. A minha solução final foi desligar completamente o WiFi e usar um roteador externo.

Quando o técnico veio aqui eu descasquei e pedi um modem novo, qualquer um, que pelo menos não forçasse o compartilhamento de um serviço. Ele teve a coragem, a astúcia, o sacanagem, de me dizer que a rede OI WIFI não vinha do meu modem: era de um satélite.

Eu desliguei o meu modem e a rede sumiu por um tempo, depois reapareceu, pois todos os vizinhos que tem OI tem esta droga habilitada. Eu não tinha como provar para ele que a rede não vinha "do satélite".

Você sabe qual a distância até o satélite? São 35 mil quilômetros! Eu ficava cada vez mais puto. Você acha que algum celular vai captar WiFi vindo de um satélite? Um sistema que não funciona mais de 500 metros! Você acha que celular tem antena parabólica? Você tá de sacanagem?

Mas a rede WiFi não sumia quando eu desligava o modem, apenas reduzia um pouco a potência. Pode até ser que a OI esteja colocando roteadores nos postes, mas no satélite é sacanagem.
O pior que o roteador da Technicolor da OI é tão ruim que o WiFi não passa de uns 30 metros. Que tecnologia avançada!

No auge da discussão o técnico me falou que onde ele mora, longe pacas, nem me lembro o nome, ninguém tem OI na vizinhança dele e mesmo assim tem a tal rede "OI WiFi de satélite".

Então eu perguntei, mudando totalmente de assunto: "nem você, que é funcionário da empresa, tem internet da OI?"

Ele respondeu: "eu não! Tenho um modem Vivo que é bem melhor!".

Eu desisti de discutir e saí rindo. Sábios são estes técnicos da OI. Não é?

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Você lembra da sua faculdade?

Como exercício mental, resolvi tentar lembrar os nomes das disciplinas que eu cursei na Engenharia. Se eu não lembrar nem o nome, é porque não fez nenhuma diferença. Comecei com o básico: os três primeiros períodos entre 1997 e 1998.

Desenhei em um papel as três colunas, uma para cada período, e comecei a escrever. Cálculo 1, 2 e 3. Física 1, 2 e 3. Esses são fáceis.

Geometria analítica e geometria descritiva. Desenho foi no segundo ou terceiro período? Não, espera aí, são dois!

Teve aquele professor que ninguém entendia nada, o que ele dava mesmo? Era análise de alguma coisa...

Mecânica técnica, resistência dos materiais, eletricidade. Não, para tudo! Estas são depois do básico!
Tinha aquele velhinho que reprovava todo mundo, a maluca que chamava os alunos de idiota, o sem noção que dizia que não ia passar ninguém e o professor que cobrava a xerox da prova. Qual matéria eles davam mesmo?

Olhei para o papel e havia 9 disciplinas apenas. E uma delas eu só lembrava que era análise, não sabia do quê. Análise técnica? Estatística? Psicológica? Está última teria sido util...
Dei me por vencido e fui na página da Engenharia da UERJ procurando pela grade. Para minha surpresa, quase exatamente igual à minha época. Vinte anos atrás, direto do túnel do tempo do Vídeo Show.

Percebi então que eu simplesmente apaguei do meu HD cerebral duas disciplinas de química, uma introdução ao processamento de dados, cálculo numérico e mais algumas outras.

Triste como tanto tempo se passou e eu continuo não usando quase nada do que foi ensinado.
A Engenharia poderia ganhar muito atualizando sua grade como fazemos no técnico. Pena que a academia tanto dificulta a mudança, se separando completamente do mundo real.

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Trapaça sem valer nada no PES 2017

O PES 2017, jogo de videogame de futebol do playstation 4 (e outras plataformas) tem um interessante modo contra chamado divisões online. Neste modo, você joga dez jogos contra jogadores mais ou menos do seu nível. Se você ultrapassar mais que um certo valor em pontos você passa de divisão. São 10 divisões.

Estava lá feliz na minha sétima divisão e no terceiro jogo pego um jogador nível 900. Meu nível é entre 600 e 700, então era um jogo duro. Eu pego o Real Madrid e ele pega a seleção da Bélgica.

Tenho que explicar uma outra coisa para que esta história faça sentido. Embora você possa pegar qualquer time, os mais fracos valem mais pontos caso você ganhe o jogo. Uma vitória com o Real Madri vale uns 300 pontos, com a seleção da Bélgica vale 500 e com o Palmeiras vale 600! Assim fica mais fácil subir de divisão.

Começa o jogo e o cara parte para cima. Nunca vi a seleção da Bélgica jogar tão bem! Chega na cara do gol umas três vezes nos primeiros 10 minutos. Bate até na trave! Lá pelos 20 minha defesa fura e eu tomo o primeiro gol.

Pensei logo: perdi o jogo! Ele continuava atacando e eu não tinha nenhuma chance. Mas resisti bravamente. Joguei feio! Foi chutão, falta, cruzamento na área e marcação sobre pressão. No final do primeiro tempo tive a primeira chance e empatei o jogo. Cristiano Ronaldo é fantasmagórico...

No segundo tempo continuei com minha tática. Chutão na defesa, cacete no meio campo e bola na área para o Cristiano Ronaldo. Resultado: virei o jogo, fiz 3x1 e finalmente 4x1!

Foi aos 40 do segundo tempo, com o jogo ganho, que começou a sacanagem. Ele entrava nas configurações, trocava um atacante pelo goleiro, caía no chão sem sentido, sem ninguém encostar, e tomava cartão vermelho. Depois de uns três expulsos, começou a dar erro de conexão de rede até que o jogo travou e acabou. 

Mesmo com 4x1, o servidor considerou o resultado como anulado. Ninguém ganhou ou perdeu! Vou na internet e percebo que trata-se de uma tática de "cheating". Ele causou os erros de rede (nas configurações do roteador?) para que o jogo fosse cancelado, e usou a estratégia das expulsões para ganhar tempo. Que pilantra!

Agora eu fico pensando: se não vale nada além de uma pontuação ridícula em um jogo online e o cara faz trapaça, imagine na vida real que vale dinheiro? Que situação triste!

Bola para frente...

terça-feira, 22 de novembro de 2016

A gente só entende de capitalização!

Infeliz este comercial em que duas senhoras de idade dizem que confiam no "Itaú" para investir seu dinheiro. A gente "só entende" de "neto"! Investimento é "com o Itaú". Propaganda enganosa que se aproveita da triste realidade do nosso país. Bancos grandes possuem investimentos horríveis com as piores taxas. O meu banco, por exemplo, acha normal cobrar 6% de administração em um "fundo de renda fixa". Melhor deixar o dinheiro no colchão. Entre em uma agência de qualquer banco privado perguntando onde deve investir seu suado dinheirinho e receba ótimas dicas sobre aqueles ridículos planos de capitalização, CDBs e "fundos" que perdem para a inflação. Nos bancos públicos, pelo menos até hoje, você compra um título do governo, que é a opção de baixo risco mais rentável no momento. Mas isso vai mudar, como já demonstrou o governo ao iniciar o desmonte do Banco do Brasil. Daqui há alguns anos, seguindo este processo de precarização do país, estaremos com nosso dinheiro nas mãos do Itaú ou Santander mesmo. Aí só nos restará rir como as senhoras do comercial. Rir para não chorar...